Mensagens

O valor do espírito natalício

20 de Dezembro 2015

O valor do espírito natalício

No início de novembro começa o burburinho e a azáfama. Ruas iluminadas, montras ornamentadas, decoradas com ofertas chamativas ao olhar e às carteiras dos cidadãos…

…é aqui que começa, então, a cobrança, interior e exterior, sobre o quê e a quem presentear…

Existe um espírito contraditório que parece controlar a maioria da população nesta época. Por um lado, vive-se o Natal, teoricamente, a data de nascimento do “menino Jesus” (embora tenha sido provado pela ciência que o Senhor Jesus terá nascido entre os meses de março e abril), por outro, existe um total domínio da população, exercido por um consumismo desenfreado.

Natal, especialmente hoje em dia, é sinónimo de presentes, sendo estes que irão medir a consideração, o apreço, o amor ou o respeito, valores substituídos pelos bens materiais nesta época. É um consumismo desmedido alimentado, constantemente, pelos média. Senão, observe a publicidade, são sugestões de presentes, alusivos à época, em todos os meios de comunicação social: é um bombardeamento constante, direcionado para todas as idades: começando pelas crianças (com os brinquedos, jogos, etc.), passando pelos jovens (telemóveis, gadgets, etc.) e terminando nos adultos, com ofertas para todos os gostos (perfumes, chocolates, relógios, viagens, roupa, calçado, etc.).

Este é o Natal que fomos habituados a reviver, ano após ano, um círculo vicioso que, quem não adere, sente-se, automaticamente excluído. Mas, antes de mais nada, apelo à sua fé, à inteligente, aquela que não é cega, mas que pensa, medita e reflete não só sobre a Palavra de Deus, mas sobre o mundo que o rodeia. Que esta mesma fé lhe permita responder às seguintes questões:

  1. EU PRECISO DESTE PRODUTO, ROUPA OU OBJETO?
  2. QUAIS OS SEUS BENEFÍCIOS PARA A MINHA VIDA?
  3. A MINHA CONDIÇÃO ECONÓMICA PERMITE-ME ESTE DEVANEIO?
  4. NÃO SERIA MELHOR GUARDAR ESTE VALOR PARA SER USADO EM ALGO MAIS PROVEITOSO?

Um estudo levado a cabo pela Consumer Payment Report revelou que quatro em cada dez portugueses afirmam não ter dinheiro depois de pagarem as suas despesas mensais e 29% considera que não tem dinheiro suficiente para uma vida digna. Por este motivo, um terço dos portugueses considera a hipótese de emigrar devido à situação financeira em Portugal, de acordo com um estudo da Intrum Justitia.

Porém, o “espírito natalício” prevalece, já que observamos as pessoas, mesmo sem dinheiro, a endividarem-se, comprando o que podem e o que não podem, sem olharem à condição económica, fazendo do mês de janeiro o mais longo e difícil de enfrentar, sim, porque é quando a fatura, finalmente, chega! (observação: os portugueses são dos povos europeus que mais utiliza o cartão de crédito).

Infelizmente, esta é também uma das épocas em que mais se verifica tentativas ou concretização efetiva de suicídio, pois, quem não tem família ou dinheiro para presentear os seus, sente-se excluído, infeliz, triste e deprimido. Como se o seu amor fosse medido pelos presentes e o número de presenteados.

A título de curiosidade, sabe onde teve origem esta tradição? Pois bem, quando o Senhor Jesus nasceu (entre as datas de março a abril), vieram 3 reis magos com presentes para o Messias e para mais ninguém! Nem sequer Maria ou José foram contemplados!

Agora, responda para si mesmo:

Será que vale a pena tudo isto? Em nome de uma tradição que foi distorcida e manipulada pelo ser humano, através das religiões, com o passar do tempo?

Caro leitor, se deseja presentear a alguém, faça-o a si mesmo, superando as suas fraquezas na sua maneira de agir e de reagir; as suas dores, lágrimas e preocupações, pois, melhor do que um presente material é o carinho, o respeito e a consideração, por si mesmo e pelos outros, reciprocamente.

É no circulo familiar, entre pais, filhos e irmãos, que ocorre a maioria da troca de presentes na época natalícia, porém, pense sobre o seguinte:

Qual é o presente que qualquer filho quer receber de um pai durante todo o ano?

Amor, carinho, respeito, demonstrações de afeto, preocupação e interesse pelo seu futuro…

Qual é o presente que qualquer pai quer receber de um filho durante todo o ano?

O respeito, o amor, o carinho, a valorização dos ensinamentos…

Ou seja, são valores que, ao contrário dos bens materiais, não desvanecem ou deterioram, pelo contrário, permanecem e vencem o teste do tempo. Invista nestes valores nesta época, pois, se tem que dar um presente a alguém, que seja algo que o tempo, de forma alguma, irá corromper.

Alguns conselhos práticos para “sobreviver” a esta época:

  • Questione-se sempre sobre se o que vai adquirir é realmente importante PARA SI!
  • Em vez de comprar presentes, telefone às pessoas de quem mais gosta, mas, especialmente, àquelas mais afastadas que, possivelmente, guardaram mágoa de si por qualquer motivo
  • Se tiver que gastar dinheiro que seja no básico, que seja para o momento de união, como uma refeição partilhada, entre familiares e amigos
  • Não penhore a sua vida por causa de uma data festiva que é mais comercial e manipuladora das massas do que outra coisa

Avalie bem as suas prioridades, porque, no final, quem vai pagar a fatura é você!

Deus é contigo e nós também!

Bjf

Anterior

20 dezembro

Seguinte

21 dezembro


17 comments
  1. ana teresa vieira dias

    é verdade tudo o que o bispo diz.para mim o natal é uma festa pagá onde fui enganada durante toda a minha vida pelos católicos,tenho 13 anos que não celebro o natal porque para mim jesús nasceu como diz a palavra de deus havia pastores no campo,isso faz-me pensar jesús nasceu fins de outubro principio de novembro.um abraço e obrigada pelos ensinamentos de deus.tenha boas entrdas de ano novo com sua familia com saúde paz e amor.

  2. Nissara Felicio

    Boa noite Bispo! É libertador quando o senhor fala abertamente sobre o natal, de forma clara e inteligente! Para mim, é um período que não suporto chegar ao comércio! É repugnante a hipocrisia das pessoas, é repugnante o apelo comercial que a época envolve. Quantas pessoas eu já vi completamente endividadas, com dívidas que perduravam de um natal a outro. Cabe a cada um analisar suas condições e não as emoções, para não ficarem presos a compromissos financeiros que não podem ser cumpridos.

  3. Cristiana

    Admito eu amava o Natal gostava dessa "nostalgia" da emoção falsa de "paz" e família unida. Ansiava com abertura das prendas ficava contente com algumas, mas ficava ao mesmo tempo triste por não ter tido aquela prenda que queria especialmente. Era um misto de sentimentos e emoções. À medida que fui crescendo e até entrar e desenvolver a minha fé na IURD. Fui pensando, o porquê e apenas nesta data, as pessoas tornarem-se tao afectivas, preocupadas com causas sociais, porque até há um ano inteiro reclamavam da vida e de repende, como magia tudo se esquece. Ficava intrigada também com o caso das pessoas de não quererem saber do Senhor Jesus, durante um ano, muitas das vezes até se esquecem e desprezam. Mas supostamente no Natal, colocam enfeites e por aí adiante. O pior é que quando não encontram esses enfeites na casa de uma pessoa ainda ficam indignados. A mensagem que quero passar apesar de longa. É que o Senhror Jesus está VIVO e não é mais um menino. E já deu um dos melhores presentes a sua VIDA. Não há bem maior!!! Cumprimentos a todos e Deus abençoe

  4. Realmente muitos vivem enganados com o natal Por não saberem o real significado...

  5. Rose Dias

    Boa noite! Infelizmente isso acontece com alguns dá minha família são crentes. ...quando chega nessa época esqueci fé. , e passam a viver o espírito do natal. , tenho uma irmã da congregação cristã do Brasil..que entra em depressão nessa época. .um fanatismo absurdo. Minha mãe que também pertence a essa ceita. Nos crítica por ficar na iurd. .mas somos fiel e feliz graças a Deus.

  6. Fábio Medeiros - FJE Açores - Ponta Delgada

    Boa noite sr.Bispo, DEUS institui "7 Festas Proféticas" em Israel, em nenhuma delas celebrava-se o nascimento do Messias, e sim a vitória do Messias sobre o pecado, sendo a Páscoa, por isso não fazer caso deste paganismo que controla o mundo inteiro.

  7. EDUARDO/BOQUIM/SE

    VERBOS PARA O SUCESSO EM QUALQUER AREA DA VIDA[LER,SABER,MEDITAR,QUESTIONAR E PRATICAR]

  8. João de Deus

    Estou compartilhando esta postagem porque concordo plenamente com estes comentarios, é fato, liquido e certo!!!

  9. Jessica, calheta, madeira

    Hoje, essa época do natal me traz revolta. É triste e revoltante ver as pessoas do mundo todo tão iludidas com essa tradução mentirosa. As pessoas ficam "cheias" esperanças, bondades, dando o que podem e o que não podem uns aos outros, mas aí está outra mentira, pois em todo o ano, nada disso existiu na vida delas. Aí aqueles que tem condições, se enchem de "presentes", de um monte de coisas, enquantos os menos favorecidos ficam tristes por não poder ter nada disso. Sim, vamos levar as pessoas a sua fé inteligente e enxergar que o Natal de Deus não tem nada. E não ser mais vítimas desse espírito.

  10. Carlos Godói

    "Se todos que tem acesso a esse blog colocarem esta mensagem em PRATICA , evitarão graves problemas... O difícil não é tomar conhecimento do que se deve fazer, e sim FAZER o que se tomou como CONHECIMENTO".

  11. Jessica Almeida - Camara de Lobos

    Boa Tarde ! Este é o Natal que fomos habituados a reviver, ano após ano, um círculo vicioso que, quem não adere, sente-se, automaticamente excluído. Esse trecho me chama mesmo a atenção , quando eu era criança no dia do natal só acontecia coisas horríveis na minha família , sempre acabava a noite com discussões e brigas feias mesmo , lembro que teve um natal que minhas primas ganharam muitos presentes , eu ganhei um urso de pelúcia e outro primo não ganhou nada e ele ficou muito triste , saiu correndo e eu fui atrás dele , disse a ele : fica com meu urso e ele disse não quero nada disso porque ninguém lembrou de mim , eu não entendia o que estava acontecendo pois aprendi que o pai natal que levava os presentes, e nos diziam que quem era mau não ganhava nada , depois aprendi que quem dava os presentes era o pai e a mãe , e com certeza na altura que tudo aconteceu meus tios estavam sem dinheiro , mas enfim , esse meu primo foi crescendo muito revoltado , se tornou ladrão foi preso e morreu na cadeia muito jovem , hoje vejo o quanto isso tudo é uma armação do diabo para destruir pessoas e famílias pois é tudo uma ilusão , por isso me dedico a levar a verdade e concordo com o senhor , esse texto é para abrir os olhos .

  12. Anahi Danowski

    Não gosto do Natal,pois o verdadeiro espírito natalino não existe...quem deveria ganhar presentes seria Jesus Cristo, pois entregou sua vida por todos nós,sofreu e foi humilhado,foi machucado...e hoje as pessoas só querem saber de festas, presentes, desfile de modas.E no dia seguinte a vida volta ao normal com todas as derrotas...Natal deveria ser estar ao lado de verdadeiros amigos, de pessoas que gostam da gente de verdade. De que adianta desejar Feliz Natal para a pessoa e no dia seguinte falar mal dela...Natal é dia de lembrar com mais precisão que Jesus morreu por nós!!!

  13. Igor Santos - Calheta, Ilha da Madeira

    Boa tarde bispo, quando a cabeça não pensa o corpo é que paga, infelizmente é isso que vemos em muitos nessa época, elas agem com a emoção e com certeza vão sofrer as consequencias.

  14. João Marques (Portugal)

    Muito verdade. Nesta época tudo se tenta vender em nome do Natal para obter lucros comerciais, desde o telemovel, doces, tablets, roupas, sapatos, etc. A época natalicia deveria se chamar época do comércio.

  15. Cátia Fernandes

    É muito triste e revoltante ver pessoas a gastarem rios de dinheiro em presentes e mais não sei o quê numa data tão hipócrita como esta. E nos outros 364 dias ninguém se lembra de ninguém. É a realidade dos nossos dias...

  16. Fábio Medeiros- FJE Açores

    Se o Natal fosse uma festa Cristã, então quem devia ser presenteado era JESUS, pois foi a data de seu "nascimento", tendo ELE recebido ofertas pelos 3 reis magos, então porquê fazer ofertas ás pessoas, se JESUS é que recebeu as mesmas na época de seu nascimento? ("Deveríamos" continuar com esta festa, só que as ofertas iriam para a Igreja, talvez tivesse mais sentido.)

  17. Tatiana Soares /Ribeira Brava/ Ilha da Madeira

    Lembro que minha mãe sempre nos ensinou que: dar presente pode ser em qualquer dia ou data do ano e não necessariamente esperar pelo Natal e assim eu cresci, estas dicas são muito proveitosas, quantas não são as pessoas que por ver que as lojas estão a fazer saldos elas acabam comprando coisas que nem se quer irão usar e aí vem a frase que se ouve logo no início do ano novo: estou cheio de dívidas, já estou apertado, nem recebi e o salário já se foi e assim vai se levando... Por isso pense e reflita antes de sair gastando, pois no final quem vai pagar a fatura é você!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.