Mensagens

Ainda há lugar…

30 de Outubro 2013

Ainda há lugar…

“… Depois, lhe disse o servo: Senhor, feito está como mandaste, e ainda há lugar. Respondeu-lhe o senhor: Sai pelos caminhos e atalhos e obriga a todos a entrar…” (Lc 14.22-23)

Primeiro ele mandou o servo ir à cidade, onde estão as “multidões”, mas, depois, como ainda havia lugar, mandou que ele também fosse pelos caminhos, aldeias e lugares onde não passa muita gente, por isso, aparentemente, não há ninguém.

Porém, ainda existem os velhinhos que estão sozinhos em casa, esquecidos dos filhos, netos e amigos, e as pessoas que estão no caminho da solidão… a estas pessoas ninguém vê, elas ficam enclausuradas, com elas ninguém se importa, são os “seres invisíveis”, cuja relevância social é nula, os “esquecidos” e abandonados.

Todavia, o senhor não se esqueceu deles, na verdade, para estes ainda existia lugar na ceia e, mesmo que eles não desejassem comparecer, pois, já tinham desistido até da sua própria vida, o senhor instruiu ao seu servo que, se necessário fosse, até os obrigasse a entrar.

Isto significa que existem pessoas que, ainda que precisem de ajuda, se recusam a reconhecer este facto, a aceitá-la ou a recebê-la. Elas permitem que os seus egos ou opiniões de terceiros interfiram nas suas decisões… pois bem, a estas pessoas, é necessário uma forte chamada de atenção para o facto de que a sua salvação depende da aceitação do convite do senhor para a ceia, ou seja, do CONVITE QUE O SENHOR JESUS, DIRETAMENTE, ENDEREÇOU A SI!

AVALIE-SE:

Quem é você?
É uma pessoa triste? Oprimida? Considera-se um “esquecido da sociedade”?

Pois bem, esta palavra é para si! O Senhor mandou que o servo procurasse por si, pois “ainda há lugar” no banquete. “Mas, lugar para quê?” Para que a sua vida se torne saudável, feliz, próspera, com amor e, acima de tudo, seja TRANSFORMADA E SALVA!

Leia mais:
Parte 1 – Qual é a sua desculpa?
Parte 2 – Em nome do dinheiro…
Parte 3 – Quando “o outro” é uma desculpa
Parte 4 – Pobres, aleijados e cegos

Te vejo na IURD, ou nas Nuvens!
Bjf

Anterior

29 de Outubro

Seguinte

30 de Outubro


9 comments
  1. flavia sebastiao mourao

    E verdade Sr.bispo devemos arregaçar as manga e ir ao en9contro daqueles que estão perdidos porque aonde quer que formos a pessoas esperando esse convite do senhor jesus para cear neste grande banquete com ele.

  2. Nayol

    verdade bispo..vamos com toda a força ajudar os outros a encontrar o Senhor Jesus,despovoar cada vez mais o inferno.. doa a quem doer eu sou de JEsus

  3. Ricardo Arcanjo

    Muito Forte!

  4. Gladia Roballo

    Ahh! Como Deus é maravilhoso! Eu fui uma destas pessoas, andava sozinha pela estrada da vida, mas os servos Dele me encontraram, e hoje estou à mesa, pois tenho vida, paz, alegria, saúde e principalmente Sua Salvação!! E esta VIDA continua disponível a todos Só depende de você se entregar! Creia! Ainda hoje tudo pode mudar...

  5. Carlos Oletto

    Atraves desta palavra Jesus nos ensina que nao podemos aceitar a igreja vazia ,devemos lutar para a igreja estar sempre cheia , almas nao falta e ir em busca , pelas rua ,becos etc , mas para isso temos que nos colocar no lugar daquele que estao sofrendo e irmos a procura deles e trazer-los e asim sim acasa vai esta cheia.

  6. Nosso objetivo é salvar e obedecer aquilo que nos pede para fazer..

  7. Janaina

    Um aprendizado, muito forte Deus me quer !!!

  8. Marcio Santos - Areosa, Porto

    Sem duvidas , pois para nos o dia T não Termina em quanto houver aflitos ,sofridos e desesperados ,temos que sair por estes caminhos em busca daqueles que QUEREM e que o precisam ,permaneceremos nesta fé Bispo. Comprimentos a todos .

  9. Fábio Medeiros- FJE Açores

    "E ACONTECEU, depois disto, que andava de cidade em cidade, e de aldeia em aldeia, pregando e anunciando o evangelho do reino de Deus; e os doze iam com ELE." Lucas 8:1 (ACF)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.